O picolé de fruta e a morte da tartaruga

Se você estiver em uma praia lotada durante o feriado e perceber que, de um segundo para o outro, um bando de crianças saiu correndo na mesma direção, não tem dúvida ou segredo: chegou o sorveteiro! Enquanto as crianças correm, as mães e pais fuçam em suas bolsas, procuram o dinheiro e seguem atrás dos filhos para pagar o picolé.

Dois meninos, amigos ou primos, entre 4 e 5 anos, foram os primeiros a chegar no carrinho vermelho de sorvete. Apoiaram-se naquela plaquinha que seria o “cardápio de sorvetes” e ficaram olhando, admirando e escolhendo o sorvete do dia.

As mães vieram logo em seguida. Uma delas posicionou-se atrás dos dois meninos e bem de frente para o sorveteiro. A outra, estava do lado oposto e atrás do sorveteiro. Os dois meninos começaram a gritar em coro:

- Brigadeiro! Brigadeiro! Brigadeiro!

A mãe que estava atrás deles se sacudia inteira, porém em silêncio e fazia um enfático “NÃO” com o dedo para o sorveteiro. A mãe atrás do sorveteiro cochichou algo no ouvido do rapaz que disse em seguida:

- Só tem picolé de fruta.

Depois que os dois meninos escolheram seus picolés de frutas, observavam, entre uma lambida e outra, as outras crianças que saiam dali com picolés doces e extremamente açucarados em mãos.

*****

Quando eu era criança, tive uma tartaruga que era a minha paixão. Batizei-a com o nome de Maria Pia, coisa que acho chique até hoje. Fomos passar férias na praia e a Maria Pia nos acompanhou na viagem. Ela passou bons dias ensolarados em um lindo jardim que havia na casa que havíamos alugado para o verão.

Na hora de ir embora, fui em busca da Maria Pia e a minha mãe me deu a triste notícia de que a Maria Pia havia arrumado um namorado, me deixou um grande beijo, mas foi embora com um tartarugo qualquer. Não foi tristeza que eu senti ali, não, foi traição mesmo, com um toque de decepção pela minha querida tartaruga ter me abandonado pelo primeiro tartarugo que apareceu.

Alguns anos depois, a minha mãe me contou que não teve namorado nenhum, a Maria Pia foi encontrada morta, picada por uma aranha, uma cena horrível da qual ela quis me poupar. Longe de mim condenar ou julgar a atitude da minha mãe, mas hoje penso que eu gostaria de ter sentido tristeza pela morte dela, de ter podido me despedir e até de enterrá-la naquele lindo gramado. Colocando na balança, esses sentimentos e a possibilidade desse ritual de despedida me soam melhor do que traição de decepção por uma tartaruga.

*****

Eu já vi pais e mães que liberam todos os sorvetes, independentemente do nível de açúcar e calorias. Tem uns que deixam os filhos rolarem na areia de tanto chorar, mas não compram sorvete em hipótese alguma. Já presenciei aqueles que deixam claro que só pode escolher os de fruta mesmo e ponto final. Tem também pais e mães que negociam o picolé pelo quanto que cada um custa. Ou seja, cada família tem seus acordos, regras e negociações.

E, mesmo assim, os episódios da morte da tartaruga e o do picolé de frutas x picolé de brigadeiro relacionam-se na minha cabeça de uma maneira absurda e até exagerada, não consigo dissociá-los. Tanto eu como os dois meninos, fomos “protegidos” de alguma coisa pelas nossas mães. Se a minha mãe estava preocupada com os meus sentimentos e tentou me esquivar da tristeza pela morte da tartaruga, as mães dos meninos estavam preocupadas com a alimentação dos filhos e tentaram – com sucesso – poupá-los de um picolé cheio de açúcar. Novamente, longe de mim julgar ou condenar essas mães, só elas sabem as dificuldades de alimentação dos filhos, os desafios diários, as birras enfrentadas por frustrações e pelas negativas, mas fazer valer a regra do “só pode picolé de fruta” através de um “segredo” contado no ouvido do sorveteiro me pareceu também exagerado.

Dê sua opinião também » 4 já comentaram.


JOHNSON’S® baby Mimo

Há quase dois anos, eu resolvi criar esse blog com o intuito de ocupar o tempo que me “sobrava” quando os meus três filhos ingressaram na escola. A idéia era fazer com que as quatro horas do período escolar  passassem mais rápido e também de fazer um registro, ou um arquivo da infância das crianças, para mim, para a família que mora longe e para a família que não consegue estar tão próxima devido à loucura da rotina de viver em uma cidade como São Paulo.

Pois bem. Hoje entendo a minha intenção com uma certa inocência pelas possibilidades e oportunidades que o blog me abriu. Fiz inúmeras amigas virtuais e reais, saí para almoçar e tomar cafezinho com elas, fui em festinhas, em passeios com as minhas amigas blogueiras, não é incrível? Quando que eu poderia imaginar isso tudo?

Mas há ainda uma outra surpresa: o mundo dos blogs cria uma rede de ajuda e apoio às mães e pais. Você tem alguma dúvida? Alguma insegurança? Ou está simplesmente cansada e precisando de um ombro amigo? Muito simples, é só contar com as amigas blogueiras! Escrevi inúmeros posts pedindo ajuda e recebi milhares de conselhos, dicas e ombros.

Aos poucos, fui percebendo que o blog não é a única ferramenta que nos proporciona a criação dessa rede, temos o Twitter e o Facebook também, outras redes virtuais de ajuda e apoio, às vezes até mais rápidas e eficientes do que um comentário em um post.

Eu participo de alguns grupos no Facebook e poderia passar o dia trocando idéias das mais variadas: viagens, gastronomia, decoração e, é claro, bebês e crianças!

Para melhorar e facilitar ainda mais esse grande encontro nas redes sociais, a JOHNSON’S® baby lançou uma plataforma pioneira com foco no relacionamento entre mães e pais para o compartilhamento e construção colaborativa de conteúdo relevante para o dia-a-dia dos bebês e crianças. É a chamada JOHNSON’S® baby Mimo que traz algumas novidades para os usuários cadastrados (já são muitos!).

Lá, você vai encontrar o livro do bebê, que é uma espécie de registro e compartilhamento de informações e imagens, possibilitando elaboração de álbuns virtuais para acompanhamento de cada nova fase do desenvolvimento dos filhos.

Há um guia de serviços, que é um espaço em que os usuários farão avaliações de locais “child friendly”, restaurantes, escolas, lojas, shoppings, parques, entre outros que são preparados para receber os bebês, crianças e suas famílias.

Mas a minhas seção preferida é a das perguntas e respostas, em que pais e mães podem elaborar suas perguntas, tirar dúvidas e responder. Todos podem perguntar e responder, é uma verdadeira rede de apoio e ajuda, que se tornará uma referência para consultas sobre tudo relacionado aos bebês e crianças. Essa seção, inclusive, é separada por temas das perguntas e respostas: saúde, educação, lazer e compras. O melhor de tudo isso é que o conteúdo é gerado pelos maiores especialistas do mundo infantil: os pais e mães.

Eu já estou lá e deixo aqui o meu convite a todos vocês: venham fazer parte da JOHNSON’S® baby Mimo, trocar idéias, tirar dúvidas, debater e fazer crescer ainda mais essa rede de ajuda e apoio tão importante para a crianção e educação dos nossos pequenos.

Estou esperando vocês, hein?!

Dê sua opinião também » 3 já comentaram.