Novidade!!!

Eu estava na dúvida se deveria ou não escrever esse post, se o espaço seria devidamente apropriado… Mas resolvi mandar bala e explico o porquê.

Quando vejo onde estou agora, inevitável olhar para trás e visualizar o caminho que fui desenhando para a minha vida. Tudo começou quando eu tive os meus filhos, é claro, mas daí veio a idéia do blog, um outro ponto de partida importante.

Ele surgiu como forma de registro da infância das crianças, mas aos poucos foi me mostrando uma função talvez até mais importante: me aproximar de outras mães para trocar informações e acolhimento nas dificuldades.

Eu fui a primeira de todas as minhas turmas a me tornar mãe e com o avalanche da maternidade, me sentia extremamente sozinha para praticamente todos os assuntos. O blog preencheu esse vazio de maneira inacreditável por muitos anos. Me fez entender que as minhas dúvidas e angústias não eram apenas minhas, mas de todas as outras mães. A rede de apoio que se formou a partir da blogosfera materna é grande e poderosa, gente! Mães e filhos são obviamente diferentes e únicos, mas, ao mesmo tempo, são tão iguais, que só mudam de endereço mesmo.

Conheci gente e trabalhei bastante através do blog, coisas que jamais imaginaria que pudessem acontecer. Porém, depois de certo tempo, comecei a questionar a função do blog no momento em que os meus filhos estavam mais crescidinhos e pouco à vontade para a exposição. Isso foi definitivo.

A maternidade nunca saiu do meu radar, mesmo eu estando fora do blog. Estive sempre atualizada nos assunto gerais, nas polêmicas, nas novidades, em sites, produtos novos e etc. Daí vieram os grupos maternos no Facebook, o Instagram, o YouTube, o Whatsapp, o Snapchat, ou seja: diversas novas formas de apresentar material referente à maternidade e muito mais coisa para aprender e apreender. E eu lá, quietinha, na minha, mas firme e forte sempre acompanhando o assunto que é do meu maior interesse.

E as crianças crescendo… Vejam vocês que a Manu já tem 9 anos, muito mocinha e companheira! O Joaquim e Pedro fizeram 8 anos no mês passado e são uns moleques incríveis que ouvem heavy metal com uns fones enormes na cabeça.

E eu, gente? Entendi que havia chegado a minha vez. De reciclar e retomar a minha vida profissional. Eu amo a profissão que eu escolhi, ser Psicóloga é um verdadeiro orgulho e cheguei a pensar em voltar a trabalhar nessa área e com crianças. Eu também amo as crianças, é claro, mas descobri pelo caminho que fiz que amo mais ainda as mães. Como disse, elas são todas iguais e todas diferentes, nas angústias, alegrias e nas ajudas que precisam. Quando falo em ajuda, não estou me referindo a alguém para ficar com o bebê para que ela possa tomar um banho. Lembram que eu falei que a maternidade vem como uma avalanche? É para isso que as mães precisam de ajuda!

A maternidade acaba com toda a sua rotina, disciplina e organização. Atrapalha o seu sono e as suas refeições. Faz com que você se veja obrigada a reestruturar casamento e vida profissional. Muda completamente o seu corpo. A sua casa. As suas prioridades. Mas te traz um amor louco e inexplicável, pelo qual você move montanhas. E assim você vai movendo montanhas por 1, 2, 3 ou mais filhos, mas mal consegue empurrar um morrinho por você mesmo, afinal tem um serzinho que exige e precisa muito mais do que você, certo? Meio certo, apenas. Acredito fortemente que uma mãe para desempenhar suficientemente bem todas as suas funções, precisa estar bem, satisfeita e equilibrada. Ou vocês querem que eu descreva o dia de uma mãe que dormiu pouco, acordou irritada, nervosa e mal-humorada?

Por tudo isso, estou escrevendo para contar que resolvi agregar à minha formação em Psicologia uma formação em Coaching e estou atuando como Life Coach.

O Life Coach pode desenvolver trabalhos relacionados à carreira (retomada, mudança de carreira ou cargo), aos relacionamentos em geral e à qualidade de vida (disposição e emagrecimento), aspectos que são altamente impactados pela maternidade.

O Coaching é um trabalho focado em uma meta a ser atingida em alguma dessas áreas, sempre de olho nas soluções para os problemas e com a finalidade de viver uma vida mais plena. Trata-se de uma maneira de ativar os nossos recursos, visando o aumento da performance e a busca do auto conhecimento em vista do que nos impede de agir e de obter resultados positivos. Coaching é empoderamento pessoal a partir do princípio básico de foco -> ação -> resultado -> melhoria contínua.

O trabalho é realizado a partir de sessões semanais com uma hora de duração. São necessárias em torno de 12 sessões para concluir o trabalho, mais ou menos 3 meses.

Estou extremamente feliz e apaixonada por essa nova carreira! Realizar um trabalho que de fato ajuda as mulheres a ter uma experiência melhor consigo mesma, com o parceiro, com o trabalho e com os filhos é de uma realização sem tamanho!

Fiquem à vontade para tirar dúvidas por aqui ou por email: camiladuartegarcia@gmail.com

 

Dê sua opinião também »