O picolé de fruta e a morte da tartaruga

Se você estiver em uma praia lotada durante o feriado e perceber que, de um segundo para o outro, um bando de crianças saiu correndo na mesma direção, não tem dúvida ou segredo: chegou o sorveteiro! Enquanto as crianças correm, as mães e pais fuçam em suas bolsas, procuram o dinheiro e seguem atrás dos filhos para pagar o picolé.

Dois meninos, amigos ou primos, entre 4 e 5 anos, foram os primeiros a chegar no carrinho vermelho de sorvete. Apoiaram-se naquela plaquinha que seria o “cardápio de sorvetes” e ficaram olhando, admirando e escolhendo o sorvete do dia.

As mães vieram logo em seguida. Uma delas posicionou-se atrás dos dois meninos e bem de frente para o sorveteiro. A outra, estava do lado oposto e atrás do sorveteiro. Os dois meninos começaram a gritar em coro:

- Brigadeiro! Brigadeiro! Brigadeiro!

A mãe que estava atrás deles se sacudia inteira, porém em silêncio e fazia um enfático “NÃO” com o dedo para o sorveteiro. A mãe atrás do sorveteiro cochichou algo no ouvido do rapaz que disse em seguida:

- Só tem picolé de fruta.

Depois que os dois meninos escolheram seus picolés de frutas, observavam, entre uma lambida e outra, as outras crianças que saiam dali com picolés doces e extremamente açucarados em mãos.

*****

Quando eu era criança, tive uma tartaruga que era a minha paixão. Batizei-a com o nome de Maria Pia, coisa que acho chique até hoje. Fomos passar férias na praia e a Maria Pia nos acompanhou na viagem. Ela passou bons dias ensolarados em um lindo jardim que havia na casa que havíamos alugado para o verão.

Na hora de ir embora, fui em busca da Maria Pia e a minha mãe me deu a triste notícia de que a Maria Pia havia arrumado um namorado, me deixou um grande beijo, mas foi embora com um tartarugo qualquer. Não foi tristeza que eu senti ali, não, foi traição mesmo, com um toque de decepção pela minha querida tartaruga ter me abandonado pelo primeiro tartarugo que apareceu.

Alguns anos depois, a minha mãe me contou que não teve namorado nenhum, a Maria Pia foi encontrada morta, picada por uma aranha, uma cena horrível da qual ela quis me poupar. Longe de mim condenar ou julgar a atitude da minha mãe, mas hoje penso que eu gostaria de ter sentido tristeza pela morte dela, de ter podido me despedir e até de enterrá-la naquele lindo gramado. Colocando na balança, esses sentimentos e a possibilidade desse ritual de despedida me soam melhor do que traição de decepção por uma tartaruga.

*****

Eu já vi pais e mães que liberam todos os sorvetes, independentemente do nível de açúcar e calorias. Tem uns que deixam os filhos rolarem na areia de tanto chorar, mas não compram sorvete em hipótese alguma. Já presenciei aqueles que deixam claro que só pode escolher os de fruta mesmo e ponto final. Tem também pais e mães que negociam o picolé pelo quanto que cada um custa. Ou seja, cada família tem seus acordos, regras e negociações.

E, mesmo assim, os episódios da morte da tartaruga e o do picolé de frutas x picolé de brigadeiro relacionam-se na minha cabeça de uma maneira absurda e até exagerada, não consigo dissociá-los. Tanto eu como os dois meninos, fomos “protegidos” de alguma coisa pelas nossas mães. Se a minha mãe estava preocupada com os meus sentimentos e tentou me esquivar da tristeza pela morte da tartaruga, as mães dos meninos estavam preocupadas com a alimentação dos filhos e tentaram – com sucesso – poupá-los de um picolé cheio de açúcar. Novamente, longe de mim julgar ou condenar essas mães, só elas sabem as dificuldades de alimentação dos filhos, os desafios diários, as birras enfrentadas por frustrações e pelas negativas, mas fazer valer a regra do “só pode picolé de fruta” através de um “segredo” contado no ouvido do sorveteiro me pareceu também exagerado.

Dê sua opinião também » 4 já comentaram.


  • Sara vls

    Te entendo Camila… lógico que cada mãe desenvolve suas técnicas de lidar com os filhos nas mais diversas situações e também não estou aqui para julgar, tampouco condenar… enfim, aqui em casa procuramos, dentro do possível, estabelecer a regra da verdade (dizer sempre a verdade), ainda que com os cortes próprios para a idade de nossa filha (4 anos). Tem gente que me critica também, pois diz que eu tenho que tratar minha filha como criança e não de igual para igual (dentro da concepção que criança não precisa saber sempre a verdade)… Bom, filhos são experimentos, né?? E o método educacional utilizado é o da tentativa e erro… infelizmente, não existe manual!! ;)

  • mari mari

    Falávamos disso mesmo hoje: temperança. Saber se controlar. Pra uma crianca de 4 ou 5 anos, nao é tao dificil combinar (hoje picole de fruta, no domingo, de brigadeiro). concordo com voce. Mas acho que a diferenca crucial com a atitude da sua mae é que as pessoas, hoje, nao sabem (elas mesmas) lidarem com a morte, e nao sabem explicar a morte pros filhos. Pra muita crianca, a morte é tao natural que é capaz de perguntar se a tartaruga foi pro ceu das tartarugas… (minha mae tb me mentiu sobre a morte do gato…).

  • http://eucomosquatro.blogspot.com Ana Cristina Tamiso

    Ai que saudaaaaades que estava de ler seu blog!! Tô voltando pra blogosfera…

    Na praia, de férias eu deixo meus 4 escolherem o picolé que quiserem!!! Em casa tudo entra no eixo novamente…

    Beijo

    Ana Cristina

  • Inês

    Mora da história: nunca crie um animal de mato dentro de casa. Na natureza tartaruga não morre assim. Vaos combinar. Para sues filhos escolha cachorro e ate gatos(embora esse sejam auto-suficientes, mas efite pássaros e tartarugas. Eles sofrem sendo presos.