A febre dos aniversários

Eu era dessas que ficava doente antes dos meus aniversários. Tão logo acabasse o meu grande dia, lá se ia a minha febre. É a popularmente chamada “febre emocional”, uma reação totalmente psicossomática em crianças, aquele corpinho já “falando” tanto. Quais seriam as preocupações emocionais pré-aniversário de uma criança? Será que os meus amigos queridos virão a minha festa? Será que eles vão gostar dos artigos de festa e do tema que eu escolhi? Será que eles vão gostar e se divertir? Será que o bolo vai ser bom? Será que eu vou ganhar os presentes que eu tanto quero? Será que eu vou crescer imensamente da noite para o dia? Será que todos os meus dentes vão cair? Será que eu já vou virar adulto? Será? Será? Será? Quais são as fantasias de uma criança nessa virada de uma idade para a outra?

Já mais mocinha, perto dos 12 anos, eu acho, não ficava mais doente, mas tinha frio na barriga e muita ansiedade antes dos meus aniversários, mais especificamente, antes das festinhas. Era a expectativa da presença das amigas e do menino que eu gostava, por exemplo. E do bailinho, é claro! Eu detestava com todas as minhas forças! Começava a música lenta e eu queria sumir do mapa! Era um misto de vergonha de dançar meio abraçadinha com alguém e também pelo medo da rejeição, de permanecer sentada em algum banco durante a música inteira, que devia ser a interminável “Stairway To Heaven”. Eu era sempre a engraçadinha que preferia dançar com a vassoura e não entregá-la a ninguém, pelos mesmos motivos de vergonha e medo da rejeição.

Mas, isso foi bem mais pra frente. O que eu vivo agora é difícil de descobrir e nomear.

O meu filho Pedro, na noite que antecedia o dia do seu aniversário de 4 anos, apareceu com uma febre na casa dos 38,5. Só febre, nenhum outro sintoma. Tava disposto, brincando, comendo e dormindo como sempre. Passou o seu grande dia com febre e, no dia seguinte, tava zerado. Ele já tinha dado uma dica de que fazer 4 anos não era tão fácil assim e foi mais além quando disse ao Maridinho:

- Eu não quero fazer aniversário e ficar velhinho, porque eu não quero ser do céu!

(Nessas horas o meu coração fica menor do que uma ervilha, imaginem…)

Já a Manu, apesar de extremamente carinhosa com os irmãos no dia do aniversário deles, reagiu também de maneira absolutamente inesperada. Ela identificou que o dia era deles, eles estavam no maior destaque ever, os pacotes de papel colorido e cheios de laços, quando abertos eram todos “masculinos” ou super-heróicos, o telefone tocou sempre em busca do Joaquim e do Pedro, mas ela foi lá e comeu um docinho. Nada de novo ou diferente. No entanto, o doce fez com que ela vomitasse na sala! Correu para o quarto, colocou um pijama e se recolheu em sua caminha, no melhor estilo dramático-deprê “ninguém me ama”. No dia seguinte, custou para sair da cama e ficou agarrada um tempão com um mísero brinquedinho que o avô lhe deu por puro agrado no dia do aniversário dos irmãos.

O Joaquim tá bonzão, de bem com a vida e feliz, brincando sem parar com os presentes que ganhou.

E eu, sei lá, já passou, eu sei, mas o futuro me preocupa, as expectativas, as próximas reações emocionais dos meus filhos… Podia ser mais fácil ser mãe, pelo menos nos aniversários, não??

(Esse post é um publieditorial)

Dê sua opinião também » 14 já comentaram.


  • carol garcia

    camilitcha,

    esse post foi feito pra mim?

    diminuindo a escala de crias, lógico…

    bjo

  • http://www.facebook.com/natalialippolis Natalia L. P. Almeida

    sim, reações emocionais são sempre cansativas…o Gabriel enfrentou recentemente mudança de casa, nascimento de irmão… na casa dos dois ano e meio… imagina só? rsrsrsr… Tudo passa, isso é normal..

  • Michelle Vilela

    Nossa, verdade Cá!!!
    Como o corpo fala, né?
    Muito bacana poder observar isso…Mesmo sabendo que seria melhor não precisar disso…
    Mas, como tudo na vida, faz parte do crescer, amadurecer e aprender!
    E, pelo menos, eles não precisarão do bailinho….rs
    Eu adorava ficar com a vassoura… fazia várias graças tbm….rs
    beijos e parabéns triplo!
    Mi

  • Marina CQMI

    Ai, Camila! Eu nunca tive febre ou nada assim, mas nem dormia! E até hj fico um pouco ansiosa! Ainda mais qd a festa é da Bia!
    Fiquei com dó da Manu e do Pedro! rs Dá uma peninha de eles não conseguirem lidar com essas emoções e ansiedades!

  • Francine Barrionuevo

    Nossa Camila, verdade podia mesmo…
    O meu também está na maior expectativa para a data do seu aniversário, eu posso sentir o misto de felicidade e de infelicidade nos seus olhos quando ele recebe mais um convitinhos dos amigos. Felicidade porque é festa, aniversário de uma amiguinho, mas tristeza porque nunca chega o dele…pode?? bjo grande 

  • Simone Scalabrini

    rsrs, são mesmo situações que acontecem.

    Sofia tem dor de barriga nessas situações. O mais engraçado é que ela já sabe que isso pode acontecer, então antes de sair de casa ela sempre me lembra:

    - mãe, tá lembrando de levar o Floratil??

    rsrs

    Bjs!!!

  • http://www.maedacabecaaospes.com.br/ Beatriz Zogaib

    Que coisa né? Eu sempre amei aniversário, mas confesso que mesmo assim o nervoso sempre apareceu. No caso das crianças, acho que tem um fator a mais, a ansiedade. E você como psicóloga e mãe, deve saber o estrago que um mais um faz!
    Fiquei com vontade de amassar sua filha e dar um monte de carinho para o pequeno febril!
    Ainda assim, tenho certeza de que você vai identificar a essência dos pequenos e saber lidar com suas peculiaridades…
    beijos e parabéns né?
    Bia
    http://maedacabecaaospes.com.br

  • Carina – Café com Lulus

    Nossa!!! Na noite anterior ao aniversário de 2 anos do meu filho eu disse – vc tem que dormir amanhã é seu aniversário, e pronto o menino ficou zumbi deu um trabalhão para dormir, eu a principio pensei que fosse coincidência, afinal ele não tinha idade p ficar ansioso com o aniversário. Mas observando os dias posteriores vi que a agitação tinha haver com o que eu havia falado sobre o aniversário…o q será q vem pela frente?rs
    Bjus
    Carina
    http://www.cafeconlulus.blogspot.com.br

  • Renata C. Ferreira

    Aieeee… que dorzinha que deu aqui no peito. Imagino como deve ser. Mas, passa, viu? Não é esse o nosso mantra? ehehe
    faz tempo que não passo por aqui, né? Vc me perdoa??

    BEIJAO

  • Celi

    Nem fale Camila. Difícil mesmo! A gente sofre, aperta o coração pois não queremos que sofram e sim que vivam intensamente esse momento, essa bela comemoração. Praticamente o que acontece com os adultos quando dizem que estão no inferno astral, que choram, que os sentimentos oscilam. Uma mistura! Agora me diz por que precisa começar tudo tão cedo? Beijos, beijos e seus filhos estão lindos. Parabéns!

  • Cássia

    é mãe é mãe!!!! Não é fácil mesmo não… é preciso dosar muito pra dar conta de cada cabecinha pensante…

    http://www.vida-de-mae.blogspot.com

  • Mãe de moleque

    Bom, o aniversário do meu filhote é amanhã dia 28.
    Como ele gosta desse dia…fica emocionado, feliz com cada demonstração nossa e dos amigos. Não sinto saudade de quando ele era pequeno e sim ds coisas que não vivi com ele na intensidade que gostaria…agora que vai fazer 5 anos a emoção é grande, experimentar juntos a sua evolução diária não tem presente, lembrete que apague.
    Aqui comemoramos o aniversário mês a mês com bolo  e a cada ano num lugar que escolhemos juntos.
    Esse é o primeiro ano dele na escola, então escolhemos lá para comemorar!!!
    Acompanho seu blog e divulgo tbe os post que mais gostei, parabéns!
    Abraços
    Mãe de Moleque

  • Natalia Pirovano

    Muito bom ler suas experiencias com seus pequenos…
    Vejo meu afilhado crescendo e mudando algumas coisas…é engraçado…
    Quanto a Manu… que mocinha!!
    Beijos e parabéns pelas crianças

  • Aline

    As crianças desejam tanto que chegue logo o grande dia que acabam se emocionando demais! É sempre assim, rs!

    Depois de um tempo elas vão desejar que não chegue tão rápido! 

    Aline da Babycub

  • Pingback: FIM DE SEMANA EM BUENOS AIRES | Mamãe tá ocupada