As eternas diferenças entre os gêmeos

O Joaquim e o Pedro compartilham o mesmo DNA, mas como são bem mais do que uma carga genética, são absolutamente diferentes.

As diferenças de gostos e personalidades sempre foram notadas e tudo bem. Mas a dificuldade do momento é lidar com as diferenças demonstradas nas habilidades.

O Pedro desenha super bem, melhor até do que a Manu, que é mais velha (que feio! Olha a mãe comparando os filhos! É verdade, mas isso eu só falo para vocês, nunca pra eles). E o Joaquim aprendeu a nadar sozinho.

Obviamente, cada desenho é elogiado, assim como cada mergulho também é comemorado. Mas, a partir daí, o Joaquim passou, mesmo que discretamente, a “estragar” os desenhos do irmão. Assim como o Pedro passou a demonstrar certo medo e resistência com água.

Apesar de eu não gostar da expressão “ele está fazendo isso para chamar a sua atenção”, preciso concordar com ela agora. Quer dizer tudo e não quer dizer nada, é como um diagnóstico de virose. E daí, faz o quê? Qual é o tratamento?

Eu não acho que os irmãos gêmeos merecem mais atenção do que quaisquer irmãos não-gêmeos na questão da comparação de conquistas e habilidades. É lógico que precisamos medir as expectativas de acordo com a faixa etária de cada criança, mas eu procuro lidar com essas diferenças de maneira geral, sem chamar ainda mais atenção pelo fato deles serem gêmeos. Só que eu tenho um facilitador que é a Manu, eu não tenho apenas gêmeos. Considero então  que eu tenho 3 filhos praticamente com a mesma idade e que me confrontam com essas questões diariamente. Eu não posso exigir que os meninos consigam fazer coisas que a Manu já faz, mas eu não os cobro por isso. Tudo na hora certa.

Enfim, aqui em casa são 3 individuozinhos muito diferentes e festejados por isso, no entanto, a reação do Joaquim diante do desenho do Pedro e a reação do Pedro diante do irmão nadador passou a me preocupar.

*****

E aí, cadê as leitoras universitárias desse blog?

Dê sua opinião também » 2 já comentaram.


  • Adriana Matielo

    Acho que nesse caso, Ca, o negocio e conversar, conversar e conversar um pouco mais. E o insistir que todos são amados da mesma forma, naquilo que são iguais e naquilo que tem de diferente. Que são unicos, apesar de gemeos, e isso e o que torna as pessoas especiais. E que eles vão aprendder a lidar e amar as diferenças um no outro tambem. E paciencia, por que vai repetir isso por anos e anos… ^^
    bjs
    Di

  • Natalia L.P.A.

    Vc assistiu aquele filme “Eu queria ter a sua vida” (Ryan Reynolds)? Comecei achando meio tosco-bizarro mas é na verdade maioor engraçado. Tem uma cena da menininha perguntando no jantar “Pai, a professora elogiou a redação da Fulaninha e a minha não, why would she do thaat??”… enfim, a resposta do pai é hilária… 

    Mas é a velha história, cada qual se destaca em alguma coisa mesmo, e a gente como “pais” precisa aplaudir as qualidades de cada um.

    Ps. Super concordo com o que vc falou sobre “é pra chamar a atenção”… ô expressãozinha chata q não colabora, né? rsrsr